Nova no Blog

Tentanto,experimentando e blogando..... Entrem,comentem e sejam bem vindos!

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

Pra quem gosta: É de graça na Praça!!!

14 Bis ao vivo em Sabará (abertura das comemorações dos 300 anos de Villa Real)


22/dez. às 21h – Praça Melo Viana

domingo, 19 de dezembro de 2010

Para refletir sobre opiniões!

Autoria desconhecida



Havia um grande muro separando dois grandes grupos.

De um lado do muro estavam Deus, os anjos e os servos leais a Deus.

Do outro lado do muro estavam Satanás, seus demônios e todos os

humanos que não servem a Deus.

E em cima do muro havia um jovem indeciso, que havia sido criado num

lar cristão,

mas que agora estava em dúvida se continuaria servindo a Deus ou se

deveria aproveitar um pouco os prazeres do mundo.



O jovem indeciso observou que o grupo do lado de Deus chamava e

gritava sem parar para ele:

- Ei, desce do muro agora... Vem pra cá!



Já o grupo de satanás não gritava e nem dizia nada.



Essa situação continuou por um tempo, até que o jovem indeciso

resolveu perguntar a Satanás:

- O grupo do lado de Deus fica o tempo todo me chamando para descer e

ficar do lado deles.

Por que você e seu grupo não me chamam e nem dizem nada para me

convencer a descer para o lado de vocês?



Grande foi a surpresa do jovem quando Satanás respondeu:

- É porque o muro é MEU.



Nunca se esqueça: Não existe meio termo. O muro já tem dono. Pense nisso!



Matheus 12:30 - Quem não é comigo é contra mim; e quem comigo não

ajunta, espalha.

Pra descontrair

A ONU resolveu fazer uma pesquisa em todo o mundo.




Enviou uma carta para o representante de cada país com a pergunta:

"Por favor, diga honestamente qual é a opinião de seu país sobre a escassez de alimentos no resto do mundo".



A pesquisa foi um grande fracasso. Sabe por quê?



Todos os países europeus não entenderam o que era "escassez".



Os africanos não sabiam o que era "alimento".



Os cubanos estranharam e pediram maiores explicações sobre o que era "opinião".



Os argentinos mal sabem o significado de "por favor".



Os norte-americanos nem imaginam o que significa "resto do mundo".



O congresso brasileiro está até agora debatendo o que é "honestamente"...

Conselhos encontrados

O Sucesso consiste em não fazer Inimigos




Max Gehringer - Administrador de empresas e escritor, autor de diversos livros sobre carreiras e gestão empresarial, nos prestigia com mais um artigo brilhante.



Nas relações humanas no trabalho, existem apenas 3 regras:



Regra número 1:



Colegas passam, mas inimigos são para sempre. A chance de uma pessoa se lembrar de um favor que você fez a ela vai diminuindo à taxa de 20% ao ano. Cinco anos depois, o favor será esquecido. Não adianta mais cobrar. Mas a chance de alguém se lembrar de uma desfeita se mantém estável, não importa quanto tempo passe. Exemplo: Se você estendeu a mão para cumprimentar alguém em 1999 e a pessoa ignorou sua mão estendida, você ainda se lembra disso em 2009.



Regra número 2:



A importância de um favor diminui com o tempo, enquanto a importância de uma desfeita aumenta. Favor é como um investimento de curto prazo. Desfeita é como um empréstimo de longo prazo. Um dia, ele será cobrado, e com juros.



Regra número 3:



Um colega não é um amigo. Colega é aquela pessoa que, durante algum tempo, parece um amigo.



Muitas vezes, até parece o melhor amigo.



Mas isso só dura até um dos dois mudar de emprego.



Amigo é aquela pessoa que liga para perguntar se você está precisando de alguma coisa.



Ex-colega que parecia amigo é aquela pessoa que você liga para pedir alguma coisa, e ela manda dizer que no momento não pode atender.



Durante sua carreira, uma pessoa normal terá a impressão de que fez um milhão de amigos e apenas meia dúzia de inimigos. Estatisticamente, isso parece ótimo.



Mas não é.



A 'Lei da Perversidade Profissional' diz que, no futuro, quando você precisar de ajuda, é provável que quem mais possa ajudá-lo é exatamente um daqueles poucos inimigos.



Portanto, profissionalmente falando, e pensando a longo prazo, o sucesso consiste, principalmente, em evitar fazer inimigos. Porque, por uma infeliz coincidência biológica, os poucos inimigos são exatamente aqueles que têm boa memória.



"Na natureza não existem recompensas nem castigos. Existem consequências."



" 'No mundo sempre existirão pessoas que vão te amar pelo que você é, e outras que vão te odiar pelo mesmo motivo. Acostume-se...


Autor desconhecido, até o momento..........

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

DESAGRAVO DO PROF. IGOR AO CASO DE ASSASSINATO DE PROF EM BH




J’ACUSE !!! (Eu acuso !) (Tributo ao professor Kássio Vinícius Castro Gomes)



« Mon devoir est de parler, je ne veux pas être complice. (Émile Zola)



Meu dever é falar, não quero ser cúmplice. (...) (Émile Zola)







Foi uma tragédia fartamente anunciada. Em milhares de casos, desrespeito. Em outros tantos, escárnio. Em Belo Horizonte, um estudante processa a escola e o professor que lhe deu notas baixas, alegando que teve danos morais ao ter que virar noites estudando para a prova subsequente. (Notem bem: o alegado “dano moral” do estudante foi ter que... estudar!).



A coisa não fica apenas por aí. Pelo Brasil afora, ameaças constantes. Ainda neste ano, uma professora brutalmente espancada por um aluno. O ápice desta escalada macabra não poderia ser outro.



O professor Kássio Vinícius Castro Gomes pagou com sua vida, com seu futuro, com o futuro de sua esposa e filhas, com as lágrimas eternas de sua mãe, pela irresponsabilidade que há muito vem tomando conta dos ambientes escolares.



Há uma lógica perversa por trás dessa asquerosa escalada. A promoção do desrespeito aos valores, ao bom senso, às regras de bem viver e à autoridade foi elevada a método de ensino e imperativo de convivência supostamente democrática.



No início, foi o maio de 68, em Paris: gritava-se nas ruas que “era proibido proibir”. Depois, a geração do “não bate, que traumatiza”. A coisa continuou: “Não reprove, que atrapalha”. Não dê provas difíceis, pois “temos que respeitar o perfil dos nossos alunos”. Aliás, “prova não prova nada”. Deixe o aluno “construir seu conhecimento.” Não vamos avaliar o aluno. Pensando bem, “é o aluno que vai avaliar o professor”. Afinal de contas, ele está pagando...



E como a estupidez humana não tem limite, a avacalhação geral epidêmica, travestida de “novo paradigma” (Irc!), prosseguiu a todo vapor, em vários setores: “o bandido é vítima da sociedade”, “temos que mudar ‘tudo isso que está aí’; “mais importante que ter conhecimento é ser ‘crítico’.”



Claro que a intelectualidade rasa de pedagogos de panfleto e burocratas carreiristas ganhou um imenso impulso com a mercantilização desabrida do ensino: agora, o discurso anti-disciplina é anabolizado pela lógica doentia e desonesta da paparicação ao aluno – cliente...



Estamos criando gerações em que uma parcela considerável de nossos cidadãos é composta de adultos mimados, despreparados para os problemas, decepções e desafios da vida, incapazes de lidar com conflitos e, pior, dotados de uma delirante certeza de que “o mundo lhes deve algo”.



Um desses jovens, revoltado com suas notas baixas, cravou uma faca com dezoito centímetros de lâmina, bem no coração de um professor. Tirou-lhe tudo o que tinha e tudo o que poderia vir a ter, sentir, amar.



Ao assassino, corretamente , deverão ser concedidos todos os direitos que a lei prevê: o direito ao tratamento humano, o direito à ampla defesa, o direito de não ser condenado em pena maior do que a prevista em lei. Tudo isso, e muito mais, fará parte do devido processo legal, que se iniciará com a denúncia, a ser apresentada pelo Ministério Público. A acusação penal a o autor do homicídio covarde virá do promotor de justiça. Mas, com a licença devida ao célebre texto de Emile Zola, EU ACUSO tantos outros que estão por trás do cabo da faca:



EU ACUSO a pedagogia ideologizada, que pretende relativizar tudo e todos, equiparando certo ao errado e vice-versa;



EU ACUSO os pseudo-intelectuais de panfleto, que romantizam a “revolta dos oprimidos”e justificam a violência por parte daqueles que se sentem vítimas;



EU ACUSO os burocratas da educação e suas cartilhas do politicamente correto, que impedem a escola de constar faltas graves no histórico escolar, mesmo de alunos criminosos, deixando-os livres para tumultuar e cometer crimes em outras escolas;



EU ACUSO a hipocrisia de exigir professores com mestrado e doutorado, muitos dos quais, no dia a dia, serão pressionados a dar provas bem tranqüilas, provas de mentirinha, para “adequar a avaliação ao perfil dos alunos”;



EU ACUSO os últimos tantos Ministros da Educação, que em nome de estatísticas hipócritas e interesses privados, permitiram a proliferação de cursos superiores completamente sem condições, freqüentados por alunos igualmente sem condições de ali estar;



EU ACUSO a mercantilização cretina do ensino, a venda de diplomas e títulos sem o mínimo de interesse e de responsabilidade com o conteúdo e formação dos alunos, bem como de suas futuras missões na sociedade;



EU ACUSO a lógica doentia e hipócrita do aluno-cliente, cada vez menos exigido e cada vez mais paparicado e enganado, o qual, finge que não sabe que, para a escola que lhe paparica, seu boleto hoje vale muito mais do que seu sucesso e sua felicidade amanhã;



EU ACUSO a hipocrisia das escolas que jamais reprovam seus alunos, as quais formam analfabetos funcionais só para maquiar estatísticas do IDH e dizer ao mundo que o número de alunos com segundo grau completo cresceu “tantos por cento”;



EU ACUSO os que aplaudem tais escolas e ainda trabalham pela massificação do ensino superior, sem entender que o aluno que ali chega deve ter o mínimo de preparo civilizacional, intelectual e moral, pois estamos chegando ao tempo no qual o aluno “terá direito” de se tornar médico ou advogado sem sequer saber escrever, tudo para o desespero de seus futuros clientes-cobaia;



EU ACUSO os que agora falam em promover um “novo paradigma”, uma “ nova cultura de paz”, pois o que se deve promover é a boa e VELHA cultura da “vergonha na cara”, do respeito às normas, à autoridade e do respeito ao ambiente universitário como um ambiente de busca do conhecimento;



EU ACUSO os “cabeça – boa” que acham e ensinam que disciplina é “careta”, que respeito às normas é coisa de velho decrépito,



EU ACUSO os métodos de avaliação de professores, que se tornaram templos de vendilhões, nos quais votos são comprados e vendidos em troca de piadinhas, sorrisos e notas fáceis;



EU ACUSO os alunos que protestam contra a impunidade dos políticos, mas gabam-se de colar nas provas, assim como ACUSO os professores que, vendo tais alunos colarem, não têm coragem de aplicar a devida punição.



EU VEEMENTEMENTE ACUSO os diretores e coordenadores que impedem os professores de punir os alunos que colam, ou pretendem que os professores sejam “promoters” de seus cursos;



EU ACUSO os diretores e coordenadores que toleram condutas desrespeitosas de alunos contra professores e funcionários, pois sua omissão quanto aos pequenos incidentes é diretamente responsável pela ocorrência dos incidentes maiores;



Uma multidão de filhos tiranos que se tornam alunos -clientes, serão despejados na vida como adultos eternamente infantilizados e totalmente despreparados, tanto tecnicamente para o exercício da profissão, quanto pessoalmente para os conflitos, desafios e decepções do dia a dia.



Ensimesmados em seus delírios de perseguição ou de grandeza, estes jovens mostram cada vez menos preparo na delicada e essencial arte que é lidar com aquele ser complexo e imprevisível que podemos chamar de “o outro”.



A infantilização eterna cria a seguinte e horrenda lógica, hoje na cabeça de muitas crianças em corpo de adulto: “Se eu tiro nota baixa, a culpa é do professor. Se não tenho dinheiro, a culpa é do patrão. Se me drogo, a culpa é dos meus pais. Se furto, roubo, mato, a culpa é do sistema. Eu, sou apenas uma vítima. Uma eterna vítima. O opressor é você, que trabalha, paga suas contas em dia e vive sua vida. Minhas coisas não saíram como eu queria. Estou com muita raiva. Quando eu era criança, eu batia os pés no chão. Mas agora, fisicamente, eu cresci. Portanto, você pode ser o próximo.”



Qualquer um de nós pode ser o próximo, por qualquer motivo. Em qualquer lugar, dentro ou fora das escolas. A facada ignóbil no professor Kássio dói no peito de todos nós. Que a sua morte não seja em vão. É hora de repensarmos a educação brasileira e abrirmos mão dos modismos e invencionices. A melhor “nova cultura de paz” que podemos adotar nas escolas e universidades é fazermos as pazes com os bons e velhos conceitos de seriedade, responsabilidade, disciplina e estudo de verdade.



Igor Pantuzza Wildmann



Advogado – Doutor em Direito. Professor universitário.

Eu vi na net.

                                                 Essa foi projetada para grandes cagadas!!!                                                       Deveria ser o palácio da alvorada!!!!

                                                        Beleza não põe mesa!!!
                                                    As mulheres fazem tudo pela beleza!!!


Essa foi esperta ..............

Só para distrair................ as mais infames

Porque Elefante não pega fogo?

R: Porque ele já é cinza



Como se faz para saber se tem um Elefante dentro da piscina?

R: É só ver se não tem um chinelo redondo na borda da piscina



Como se passa um Elefante por baixo da porta?

R: Coloca ele dentro de um envelope



E se ele não passar?

R: É só tirar o selo do envelope



E se você não quiser que o Elefante passe por debaixo da porta?

R: Dá um nó no rabinho dele



O que é que tem dentro do lixo do hospício?

R: Doido varrido.



Qual a vantagem de se casar com uma loira ?

R: Você pode estacionar na vaga para deficientes.



Quando que o homem morreu por culpa do computador ?

R: Ao saber que era corno, ficou computador de cotovelo e se matou.



Quando que o homem morreu por causa de uma latinha?

R: Ele foi nadar no mar achando que não tinha tubarão, Mas látinha



Qual a semelhança entre gaúcho e pão de forma?

R: Casca grossa, miolo mole, chato, quadrado e fácil de comer.



Como é que se chama a revista VEJA no interior?

R: ÓIA



Qual o cúmulo da Burrice 3?

R: Passar trote para o 0900 e pagar 4 reais por minuto



Qual o cúmulo do Ciúme?

R: Brigar com a mulher porque só um dos gêmeos se parece com o pai



Qual o cúmulo do Desperdício?

R: Um ônibus com 10 políticos cair num abismo (no ônibus cabem doze)



Qual o cúmulo da Força?

R: Dobrar a esquina



Qual o cúmulo da Ignorância?

R: Abrir a caneta pra procurar as letrinhas



Qual o cúmulo da Incompetência?

R: Deixar seu bichinho virtual fugir



Qual o cúmulo da Ironia?

R: Encontrar o seu maior inimigo na sauna gay.



Qual o cúmulo da lerdeza?

R: Apostar corrida sozinho e chegar em segundo



Qual o cúmulo da Magreza?

R: Usar band-aid em vez de modess

R:Deitar em cima de um alfinete e

se cobrir com a linha



Porque que o português coloca pastel dentro do leite?

R: Pra tomar leite pasteurizado



Por que que os portugueses deixam a televisão ligada o dia inteiro nos fins de semana?

R: Pra segunda-feira eles assistirem tela quente



Qual a diferença entre um estudante português burro e um estudante português inteligente ?

PB- copia tudo o que a professora escreve no

quadro, e quando ela apaga o quadro,

ele apaga tudo no caderno.

PI- não copia nada porque ele sabe que a

professora vai apagar mesmo.



O que o português disse quando viu uma

casca de banana no chão?

R: Ai, Jesus, vou ter que cair de novo!



Como você descobre que a padaria do

português foi informatizada?

R: Ele usa um mouse atrás da orelha



Porque português anda de moto de pijama?

R: Pra fazer a curva deitado



Qual o cúmulo da Maldade?

R: Colocar tachinhas na cadeira elétrica



Qual o cúmulo da Matemática?

R: Pedir um X-Burguer, comer o Burguer

e calcular o X.



Qual o cúmulo do Masoquismo?

R: Depois de sair da piscina de álcool, tomar ducha

de sal e se enxugar com Bom-Bril

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

Manifesto

Um dia envelhecerei e serei motivo de piadas dos idiotas que se acham humoristas,dos hipócritas que se acham eternos e dos que ganham dinheiro para falar mal dos outros.


Este dia pode não demorar muito.

Então...meus reflexos não serão mais os mesmos, minhas respostas serão mais lentas e minha percepção ficará afetada.

Então, quase todos se esquecerão do quanto fui bela, magra, esperta e perspicaz,exceto eu, que serei ainda que lenta a mesma, ainda que fraca,a mesma...a mesma

Posso me tornar obesa, ou mesmo fora das medidas de um padrão estético que esta sociedade criou,então, virarei alvo de bulling na escola,motivo de comentário das colegas de trabalho e pouco desejada pelos homens.

Posso não querer ter namorados e dedicar minha vida à filosofia ou a política, e então ao contrário de oferecerem mérito ás minhas capacidades,contestarão minha sexualidade e esquecerão todo meu esforço.

Talvez não goste de bebida e não aprecie palavrões, neste caso, não vou rir da maioria das piadas e serei tachada como chata,quadrada.....não serei a melhor companhia.

O que está errado?

Onde está a graça?

Onde está o respeito?

Sinceramente, eu espero deste novo ano mais educação,respeito e discernimento para nossa raça.Que antes de rirmos de piadas que deterioram a integridade das pessoas, possamos refletir,pois quando eu não for mais o que sou hoje,não terão a menos graça!!

Abaixo o bulling no humor!!!

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

Ok, outra série que foi muito legal.....

Quem não assistiu "Eu a Patroa e as crianças?"
Outro dia que fiquei sabendo que o Michael Kyle, Damon ,é um dos irmãosWayans, isso mesmo irmão dos caras que fizeram as branquelas!!!
que família talentosa e bela,não?
Confira aí na foto:
O da ponta, de rosto menos conhecido é escritor de várias comédias que vemos por aí.

Para matar a saldade da série, vamos ver como esse pessoal da série tá hj?

Vem cá, não parece o Marco do CQC?

                                                                     Esse piorou ein? rsrsrsr

domingo, 12 de dezembro de 2010

cabelo/penteado

Gente, vou fazer o meu primeiro post sobre cabelo.
Na verdade sei um pouquinho de penteado, pinto faço escova e tudo mais, porém não sabia da existência dessas trançinhas que são super práticas para fazer os penteados, deêm uma olhadinha aí:
Vi essa coisa prática no blog Amice per amice, que super indico!
Via aqueles penteados e ficava babando porque não tenho muito cabelo mais com essa alternativa ein?
E os pentedos desestruturados estão super na moda né?

Como eu não achei ainda  o aplique pronto vou comprar cabelo e fazer eu mesma, depois conto para vcs no que deu...bjo e bay!

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Anos 80/Trem da alegria

"Oh! que saudades que tenho


Da aurora da minha vida,

Da minha infância querida

Que os anos não trazem mais!

Que amor, que sonhos, que flores,

Naquelas tardes fagueiras

À sombra das bananeiras,

Debaixo dos laranjais!

Como são belos os dias

Do despontar da existência!

— Respira a alma inocência

Como perfumes a flor;

O mar é — lago sereno,

O céu — um manto azulado,

O mundo — um sonho dourado,

A vida — um hino d'amor!

Que aurora, que sol, que vida,

Que noites de melodia

Naquela doce alegria,

Naquele ingênuo folgar!

O céu bordado d'estrelas,

A terra de aromas cheia

As ondas beijando a areia

E a lua beijando o mar!

Oh! dias da minha infância!

Oh! meu céu de primavera!

Que doce a vida não era

Nessa risonha manhã!

Em vez das mágoas de agora,

Eu tinha nessas delícias

De minha mãe as carícias

E beijos de minha irmã!

Livre filho das montanhas,

Eu ia bem satisfeito,

Da camisa aberta o peito,

— Pés descalços, braços nus

— Correndo pelas campinas

A roda das cachoeiras,

Atrás das asas ligeiras

Das borboletas azuis!

Naqueles tempos ditosos

Ia colher as pitangas,

Trepava a tirar as mangas,

Brincava à beira do mar;

Rezava às Ave-Marias,

Achava o céu sempre lindo.

Adormecia sorrindo

E despertava a cantar!

................................

Oh! que saudades que tenho

Da aurora da minha vida,

Da minha infância querida

Que os anos não trazem mais!

— Que amor, que sonhos, que flores,

Naquelas tardes fagueiras

À sombra das bananeiras

Debaixo dos laranjais! "

Com toda licença poética tive que recorre a Casimiro de Abreu quando vi essa foto do Juninho bill.
Só quem teve infância nos anos 80 vai entender o que eu digo....Ele era do trem da Alegria, o moleque mais levado daquela época fez também um programa com o Sérgio malandro: A porta dos desesperados, quem lembra?
Os anos 80 para a infância foi uma época muito produtiva, os programas infantís eram mais variados, as músicas eram super legais...
Devo estar mesmo ficando velha! Olhando agora para a cara do Juninho, percebo isso.
E essa mania de falar que no meu tempo era melhor...
ah, mais era mesmo!!!!

Só uma lembrançinha do que foi esta época:
Bozo, Vovó Mafalda, tia Dulce

Sérgio Malandro
Trem da Alegria

                                                                             Xuxa




E isso é só um pouquinho...  me segura  Cassemiro de Abreu.....

sábado, 27 de novembro de 2010

Olha isso...que fofo!

Árvore de latinhas.

                                                                       Olha essa idéia que máximo!

Em busca da árvore perfeita

Pois é....
Queria fazer uma árvore aqui em casa, vai ser a primeira na minha casa.Queria uma coisa diferente mais original e que fosse também bonita.
Vi uns exemplos que vou mostrar aqui se alguém tiver mais idéias por favor deixa um recadinho...
ainda não me decidi.

Esta é de adesivo, para colar na parede:


Essa é bem legal, mais o coqueiro que eu tenho está bem pequeno ainda....




gostei muito dessa ein;;;;;;
Fazendo algumas modificações tem muita chance comigo essas aí.
Oque acham?

                                                        Móbile de natal....idéia boa hãn?

                                                                        Muito chique.



                                                             Ecologicamente correta!
E tem passo a  passo:
Confecção da Árvore:




Com o estilete e régua, ou com a guilhotina, corte 50 folhas de papel jornal, em cada um dos tamanhos a seguir (lembre-se que você pode cortar várias folhas por vez, do mesmo tamanho):



◦15cm por 15 cm;

◦14cm por 14 cm;

◦13 cm x 13 cm;

◦11,5 cm x 11,5 cm;

◦10cm x 10cm;

◦9,0 cm x 9,0cm

◦7,5cm x 7,5cm;

◦6,5cm x 6,5cm

◦5cm x 5cm;

◦3,8 cm x 3,8 cm.

Para colocar os quadrados de jornal na base da árvore:



Coloque as duas folhas de 15cm por 15 cm de papel cartão (ou cartolina), na agulga de tricô já colada à base de argila, de maneira a “sustentar” o peso das folhas de jornal por sobre a base;



Dobre as folhas ao meio, e depois, novamente, marcando o vinco com o “bone folder” (ou régua/lápis),



Coloque-as, de maneira intercalada, por ordem de tamanho (primeiro as maiores), sempre tomando o cuidado de marcá-las com vinco antes de perfurar as folhas na base. As folhas devem ficar em direções opostas, uma a uma, de maneira a evitar que fique uma “pilha” de quadrados de jornal.



Após a colocação da última folha de 2,5 cm, passe a cola em spray (ou laquê/fixador de cabelos) pulverizando-a cuidadosamente por sobre a árvore, e despeje o glitter da cor que escolheu por cima.



Caso tenha escolhido um enfeite para o topo da árvore, cole-o com a pistola de cola quente ou adesivo instantâneo.



Pronto, e um Feliz Natal!



Tá tudo bem, não é uma árvore de natal, mais pega a idéia....com rolhinhas...fala que não é sedutora?

 Fonte: CAsa abril.com

terça-feira, 23 de novembro de 2010

É você quem pontua a sua vida!

Vamos rir um pouco com o
show da língua portuguesa!



'Um homem rico estava agonizando. Pediu papel e caneta. Escreveu assim:



'Deixo meus bens a minha irmã não a meu sobrinho jamais será paga a conta do padeiro nada dou aos pobres'



Morreu antes de fazer a pontuação. A quem deixava a fortuna? Eram quatro concorrentes.



1) O sobrinho fez a seguinte pontuação:

Deixo meus bens à minha irmã? Não! A meu sobrinho. Jamais será paga a conta do padeiro. Nada dou aos pobres.



2) A irmã chegou em seguida. Pontuou assim o escrito:

Deixo meus bens à minha irmã. Não a meu sobrinho. Jamais será paga a conta do padeiro. Nada dou aos pobres.



3) O padeiro pediu cópia do original. Puxou a brasa pra sardinha dele:

Deixo meus bens à minha irmã? Não! A meu sobrinho? Jamais! Será paga a conta do padeiro. Nada dou aos pobres.



4) Aí, chegaram os descamisados da cidade. Um deles, sabido, fez esta interpretação:

Deixo meus bens à minha irmã? Não! A meu sobrinho? Jamais! Será paga a conta do padeiro? Nada! Dou aos pobres!



Moral da história:



"A vida pode ser interpretada e vivida de diversas maneiras.

Nós é que fazemos a sua pontuação. E isso faz toda a diferença..."

Para rir um pouco

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Escolhendo a make para peles negras.

Escolhendo a maquiagem


Esqueça aquela idéia de que a maquiagem para a pele escura deve ter somente tons de cobre. Apesar de ser uma questão de gosto, a pele negra permite tanto uma maquiagem natural, sem muito contraste, como um make colorido, com olhos bem marcados, por exemplo.


A Base



Para escolher a cor de base perfeita, a regra é não tentar escurecer ou clarear a pele. Se a tonalidade da base for mais clara, ela pode deixar a pele esbranquiçada ou rosada. É importante também levar em conta que o tom da pele negra tende mais para o vermelho ou o amarelo e a base deve seguir essa mesma coloração. Para não correr o risco de ficar com uma aparência artificial, teste a base antes de comprar. O melhor lugar para testar a base é  na região que fica abaixo das maçãs do rosto e na linha do queixo.




O pó



As mesmas regras valem na hora de escolher o pó facial, ele não deve ficar evidente na pele. 
Na hora de escolher um corretivo para disfarçar as olheiras e as imperfeições da pele, opte por um ou dois tons abaixo do tom da base.




O Blush


O blush é essencial para dar vida às maçãs do rosto. As mulheres negras devem optar pelo o rosa queimado Vinho e o terracota, que dão um aspecto saudável. Os tons de laranja, salmão e pêssego não combinam com a pele escura. Para a boca, invista em tons de amora, ameixa, vinho, café e chocolate.


Sombras



Na cartela de cores de sombras ideais para a pele negra bem escura, estão os tradicionais tons de cobre, dourado, rosa escuro, vermelho fechado, vinho, berinjela grafite, uva, azul profundo e bordô. Já para as mulheres que tem a pele negra mais puxada para o marrom, as cores mais indicadas são o dourado, bronze, cobre, chocolate ou mesmo o próprio marrom. Sombras com efeito metálico e cintilante, principalmente se combinados com um delineador preto, deixam a maquiagem mais viva. As de textura fosca trazem mais naturalidade.









 
 
Fonte de pesquisa
Site : coisa de mulher

Make para peles negras.

Para peles escuras, a “zona de segurança” são cores quentes como o bronze, marrom, laranja e dourado. Mas as negras também podem (e devem!) investir nas cores frias (azul, roxo, verde e pink). Olha que espetáculo esses dois looks de Rihanna: sombra bronze (à esquerda) e berinjela (à direita)
Se a ideia é fazer uma boca marcante, aposte nos batons de tonalidades de amora, ameixa, vinho, café e chocolate. Para um efeito suave, invista nos beges nude ou gloss transparentes



As sombras prata e cinza são uma ótima alternativa para eventos noturnos. Mas nos lábios, prefira cores cor de boca para não “esfriar” muito o look.


Além do prata, nuances mais abertas de lilás, azul e verde são uma opção certeira para realçar os olhos. Esfume a sombra para criar o efeito degradê.

Para colorir as maçãs do rosto, as cores ideais de blush são marrom-escuro, berinjela e terracota.

Para a cobertura, vale uma dica: Peles muito morena e negra tendem a ser mais escuras ao redor da boca, próximo à raiz dos cabelos e em volta dos olhos. Invista em duas cores de base: uma com o seu tom natural e outra no tom dos pontos escuros!



Desde que escolhidos corretamente, tons pastel estão liberados para a pele negra. Evite azuis e rosa-bebê e invista nos rosas antigos, no salmão e nas variações de pêssego.



Cuidado na hora de escolher a cor da base e do corretivo. Um tom muito claro fica artificial e acizentado. Use o corretivo para igualar as partes do rosto em que a pele está mais escura.


Dois looks de festa da cantora Jennifer Hudson. Com sombra preta esfumada (à esquerda) e com sombra prata (à direita).



Camila Pitanga investe no batom vermelho de tonalidade aberta

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Um pouco mais sobre os heróis...

Humanizando  heróis, a história por traz da história. 
Tiradentes


Novos estudos históricos apresentam uma inconfidência mineira diferente daquela que nos narram os livros didáticos.

Embora a historiografia oficial considere a inconfidência mineira (1789) como uma grande luta para a libertação do Brasil, o historiador inglês Kenneth Maxwell, autor de "A devassa da devassa" (Rio de Janeiro, Terra e Paz, 2ª ed. 1978.) que esteve recentemente no Brasil, diz que "a conspiração dos mineiros era, basicamente, um movimento de oligarquias, no interesse da oligarquia, sendo o nome do povo invocado apenas como justificativa", e que objetivava, não a independência do Brasil, mas a de Minas Gerais.



Esses novos estudos apresentam um Tiradentes bem mudado: sem barba, sem liderança e sem glória. Segundo Maxwell, Joaquim José da Silva Xavier não foi senão o "bode expiatório" da conspiração. (op.cit., p. 222) "Na verdade, o alferes provavelmente nunca esteve plenamente a par dos planos e objetivos mais amplos do movimento." (p.216) O que é natural acreditar. Como um simples alferes (o equivalente a tenente, hoje) lideraria coronéis, brigadeiros, padres e desembargadores?

Como depois de morto, não restou nenhuma descrição de como tiradentes realmente era , sua imagem foi forjada pelos franciscanos, confessores dos inconfidentes o ideal cristão é projetado na figura de Tiradentes. Torna-se modelo de homem cristão, generoso, arrependido, castigado, mas preparado para bem morrer. Segundo os confessores, ele recebeu sereno e convencido da gravidade de seus pecados a sentença condenatória.como se fosse o próprio Cristo: beija os pés e perdoa o carrasco; recebe a alva, despe a camisa e caminha com o crucifixo na mão.É desta forma que se formaliza a primeira tentativa de criar uma memória histórica da Inconfidência Mineira e, também, a construção da imagem de Tiradentes e não é por mera coincidencia que ele é retratado em imagem muito parecida com Jesus Cristo.


Os prórpios carrascos de Tiradentes lhe conferiram uma imagem que ao mesmo tempo o fazia um herói e não representava perigo à monarquia.

A Folha de S. Paulo publicou um artigo (21-04-98) no qual se comentam os estudos do historiador carioca Marcos Antônio Correa. Correa defende que Tiradentes não morreu enforcado em 21 de abril de 1792. Ele começou a suspeitar disso quando viu uma lista de presença da Assembléia Nacional francesa de 1793, onde constava a assinatura de um tal Joaquim José da Silva Xavier, cujo estudo grafotécnico permitiu concluir que se tratava da assinatura de Tiradentes. Segundo Correa, um ladrão condenado morreu no lugar de Tiradentes, em troca de ajuda financeira à sua família, oferecida pela maçonaria. Testemunhas da morte de Tiradentes se diziam surpresas, porque o executado aparentava ter menos de 45 anos. Sustenta Correa que Tiradentes teria sido salvo pelo poeta Cruz e Silva (maçom, amigo dos inconfidentes e um dos juízes da Devassa) e embarcado incógnito para Lisboa em agosto de 1792.

Isso confirma o que havia dito Martim Francisco (irmão de José Bonifácio de Andrada e Silva): que não fora Tiradentes quem morrera enforcado, mas outra pessoa, e que, após o esquartejamento do cadáver, desapareceram com a cabeça, para que não se pudesse identificar o corpo.
"Se dez vidas eu tivesse, dez vidas eu daria pelo Brasil". Como só tinha uma, talvez Tiradentes tenha preferido ficar com ela"
Tiradentes na verdade começou toda a revolução por razões comerciais,sendo que aos dezoito anos optou pela carreira de  armas alistou se  e imediatamente pelo fato de pertencer a elite branca e pela habilidade técnica que tinhade dentista,serviu muitos anos à coroa portuguesa, teve escravos,(pois é)após ser negado a tiradentes uma conseção o seu projeto de canalização e de construção de novos moinhos, Tiradentes então passou a se encontrar com pessoas que teriam interesses em separar o Brasil do reino lusitano o que o levaria mais tarde ao mítico herói da Inconfidência Mineira.










Pesquisas:Desciclópedia,Fatos e personagens.com,Abrali.com,www.montfort.org.b e livros citados no corpo do texto.













































Os primeiros republicanos , em busca de um herói nacional, encontraram nele, o símbolo mais que perfeito.













































Mais será que foi assim?













































Alferes da cavalaria regular da Capitania de Minas Gerais,Pertensente a elite branca,tinha 8 escravos e prestou serviço à corte portuiJoaquim José da Silva Xavier, mais popularmente conhecido como “Tiradentes"

Nossos heróis.Heróis? Parte 1

O termo herói surgiu na Babilônia, mais precisamente na famosa cidade de Sodoma, mais na Palestina do que na Mesopotâmia propriamente dita. A lenda é breve.


Um homem, chamado Roi-Baal ("Maldição de Baal" em idioma cuneiforme) vivia em paz e harmonia com seus irmãos e inimigos em Sodoma. Frequentemente ia até a cidade murada de Gomorra para se divertir com seus amigos, torturar hititas e fenícios, e entre outras coisas comer javalis assados e prostitutas. Certo dia, no Dia 213 do Reinado de Nabucodonosor, Roi-Baal estava em Gomorra quando irrompeu tremenda tempestade sobre a terra, aparentemente tão terrível quanto à que assomou Gilgamesh .


Roi-Baal salvou a cidade de Gomorra inteira de uma inundação iminente quando teve a magnífica ideia de fechar os portões e vedar as frestas de madeira com palha, trigo, cevada e centeio. Todo exército e organizações criminosas de Gomorra cooperaram na empreitada e a ideia surtiu efeito quase imediato. No dia seguinte os cidadãos perceberam a magnífica atitude heróica de Roi-Baal. A cidade permaneceu quase seca, e por fora de suas muralhas, uma imensa lagoa se formou.



As colheitas foram perdidas, e o estoque de comida da cidade foi todo gasto ao se vedar as frestas. Mesmo um terço da cidade sitiada tendo morrido de fome, Roi-Baal foi aclamado redentor de Gomorra. A cidade permanecia seca, porém como as águas não baixavam e já haviam se passado vinte dias de enchente, os gomorritas tiveram a brilhante ideia de sacrificar seu herói aos deuses, pois sacrifícios humanos consistiam em uma prática muito comum na Antiguidade pelo Paganismo, e foram adotadas pelo Santo Ofício Inquisidor na Idade Média pelo Catolicismo. Aplacando a fúria de Dagom, Shiva e Morpheus com o sacrifício humano, as águas baixaram no dia seguinte, o vigésimo primeiro, e os gomorritas voltaram à suas vidas agradáveis e pacatas, plantando e colhendo cereais, produzindo vinho, assaltando os forasteiros e torturando seus vizinhos.



Quando os oficiais do comando central da cidade de Babilônia chegaram à cidade com o intento de pilhar o que tivesse restado dos estragos da inundação e assassinar os gomorritas sobreviventes, encontraram quase todos sãos e salvos (exceto um terço da cidade que falecera de fome como consequência do fato já explicado) levando suas vidas em paz (não exatamente em paz) de forma mais natural possível. Ao questionarem para os cidadãos o que ocorrera, lhes explicaram tudo. Os oficiais militares pediram a um escriba cuneiforme que registrasse tudo conforme os gomorritas lhe contassem. Como ficou constado nos registros, desde então sempre que perguntavam aos gomorritas quem era o salvador de sua cidade eles respondiam: "É Roi-Baal!"



Com o passar das estações, diziam: "É Rói!"
E com o passar de algumas gerações a palavra ganhou sua forma original: "Herói

Pois é, o homem sempre precisou de heróis para contar uma histórias com finais felizes, e o mais interessante é que este anseio é propagado pela escola e sociedade de uma maneira contínua e cada vez mais eficaz
.
Nos livros de história , não vemos pessoas legais que deram sua contribuição, mais quase sempre a figura mítica do herói,quando dou minhas aulas procuro saber o possível para retificar algumas informações.Não é que o papai noel não seja bom....mais não dá para passar a vida vendo renas voando ....
Neste post e em alguns mais vou esclarecer alguns pontos de nossos heróis humanos...
Sem deixar de admirá los pelos seus feitos, porém acrescentar  um pouco mais de humanidade nas suas histórias.

Herói  1 :
Zumbi


Zumbi, o maior herói negro do Brasil, o homem em cuja data de morte se comemora em muitas cidades do país o Dia da Consciência Negra, mandava capturar escravos de fazendas vizinhas para que eles trabalhassem forçados no Quilombo dos Palmares. Também sequestrava mulheres, raras nas primeiras décadas do Brasil, e executava aqueles que quisessem fugir do quilombo.




Essa informação parece ofender algumas pessoas hoje em dia, a ponto de preferirem omiti-la ou censurá-Ia, mas na verdade trata-se de um dado óbvio. É claro que Zumbi tinha escravos. Sabe-se muito pouco sobre ele – cogita-se até que o nome mais correto seja Zambi – mas é certo que viveu no século 17. E quem viveu próximo do poder no século 17 tinha escravos, sobretudo quem liderava algum povo de influência africana.


Porque será?




O hábito da escravidão também existia em África

Desde a Antiguidade, os humanos guerrearam, conquistaram escravos e muitas vezes venderam os que sobravam. Até o século 19, em Angola e no Congo, de onde veio a maior parte dos africanos que povoaram Palmares, os sobás se valiam de escravos na corte e invadiam povoados vizinhos para capturar gente. O sistema escravocrata só começou a ruir quando o Iluminismo ganhou força na Europa e nos Estados Unidos. Com base na ideia de que todos as pessoas merecem direitos iguais, surgiu a Declaração dos Direitos da Virgínia, de 1776, e os primeiros protestos populares contra a escravidão, na Inglaterra. Os abolicionistas apareceram um século depois de Zumbi e a sete mil quilômetros da região onde o Quilombo dos Palmares foi construído.